Marcos Rogério critica CPI por omitir roubalheiras de dinheiro da saúde por estados e municípios

Na sessão da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, na última terça-feira (14), o senador Marcos Rogério questionou o andamento dos trabalhos da comissão, ao confrontar o relator Renan Calheiros sobre o objeto da comissão.

Durante a audiência, onde o diretor do Fib Bank prestava depoimento, o relator afirmou que a CPI tinha como objeto apurar ‘ações e omissões em relação ao que aconteceu no Ministério da Saúde e no Amazonas’.

Marcos Rogerio fez questão de esclarecer este ponto, demonstrando o erro de Renan Calheiros ao definir o intuito da CPI:

“Fazendo uma correção de algo que o relator mencionou hoje logo pela manhã, que a CPI é para apurar ações e omissões em relação ao que aconteceu no Ministério da Saúde e no Amazonas. Está certo ou está errado o relator? Errado.

Os requerimentos que deram origem a esta CPI, colocam como objeto de apuração desta CPI, tanto as ações e omissões do Ministério da Saúde, governo federal, quanto ao que aconteceu no estado do Amazonas, bem como no Distrito Federal, estados e municípios”, apontou ele. E aproveitou para questionar a recusa da Mesa em direcionar as investigações da CPI para os estados e municípios:

“É preciso reposicionar este fato, porque não pode tentar passar à sociedade que esta CPI tem como objeto investigar apenas Ministério da Saúde e estado do Amazonas. Isso não é verdade. Talvez isto até justifique algum comportamento desta CPI que até agora não quis avançar nesta investigação”. A omissão vergonhosa em investigar estados e municípios é favorecimento, inclusive ao filho do relator que é integrante do Consórcio de Governadores do Nordeste, responsável pelo desvio de quase R$ 50 milhões, dinheiro do Governo Federal para a combate a covid.

O senador também expôs sua frustração com a condução da CPI, mas que ainda tem esperanças de que as investigações avancem em outros fatos relevantes:

“Confesso que espero que a gente tenha, até as últimas audiências que teremos aqui, a oportunidade ainda de avançar um pouco mais na investigação que chega no caminho do dinheiro desviado. Saber o que foi feito com a ‘dinheirama’ toda enviada aos estados e municípios”, encerrou ele.

Jornal da Cidade Online

 

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *